Início A República Governo Temer é o mais impopular desde o fim da ditadura ...

Governo Temer é o mais impopular desde o fim da ditadura – #República #Brasil

13
0


“O povo precisa colaborar e aplaudir as medidas que venhamos a tomar.” Do discurso de 12 de maio de 2016 à realidade, Michel Temer completa neste sábado (12) dois anos de uma gestão que, na média, é a mais impopular desde pelo menos o fim da ditadura militar.

Compilação das mais de 200 pesquisas de avaliação de governo feitas pelo Datafolha nas últimas três décadas mostra que a média do atual presidente da República nesses 24 meses é pior até mesmo do que a dos antecessores que sofreram impeachment, Dilma Rousseff e Fernando Collor. No índice usado pelo instituto para calcular o desempenho popular das gestões, que vai de 0 a 200, Temer marca apenas 25 até agora.

No discurso inaugural, em que deu posse a seus ministros, o tom era de otimismo. “Minha primeira palavra ao povo brasileiro é a palavra ‘confiança’.”Nos meses seguintes, Temer conseguiu aprovar no Congresso Nacional medidas como o congelamento dos gastos federais, a reformulação do modelo de exploração do petróleo e uma reforma trabalhista que atendeu a demandas históricas do setor empresarial.

Leia também: PSDB pode defender legado econômico de Temer

O empresariado e bancadas que defendem posições conservadoras, como a ruralista, a da “bala” e a religiosa, ou tiveram avanços significativos ou conseguiram congelar bandeiras de grupos antagônicos. O mês de maio de 2017 foi capital para Temer após a revelação dos diálogos que travou com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu. Na ocasião, chegou a avaliar a renúncia ao cargo.

Queda contínua

As oito pesquisas nacionais de avaliação do governo feitas pelo Datafolha mostram um crescimento contínuo de sua impopularidade desde o início da gestão. Largou com 31% de rejeição e chegou a 61% com um ano de governo. Após o escândalo da JBS, o contingente de pessoas que consideram seu governo “ruim ou péssimo” superou os 70%, marca que permanece até hoje.

Nesse período, o governo federal lançou mão de medidas que, na análise de palacianos, seriam capazes de alterar esse quadro -como a liberação do saque de contas inativas do FGTS e a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro-, mas nenhuma deu certo até agora.

“Mais do que fatos de grande repercussão, como os desdobramentos da Lava Jato e a gravação da conversa com Joesley Batista, a impopularidade recorde de Temer é explicada pela soma de temores que sua gestão despertou nos brasileiros”, diz o diretor de Pesquisas do Datafolha, Alessandro Janoni.

“Não só o medo da violência urbana, que se tornou ainda mais explícita com a intervenção no Rio de Janeiro, mas principalmente pela percepção da população de que perderia direitos com as reformas trabalhista e previdenciária. A derrocada de Dilma junto à opinião pública começou com a necessidade de ajustes que lançavam dúvidas sobre a continuidade do processo de inclusão do lulismo. Com Temer e a comunicação de suas reformas, essa sensação de incerteza só se intensificou”, afirma Janoni.

Na última pesquisa do instituto, de 11 a 13 de abril, os eleitores apontaram cinco pontos como principal problema do país: corrupção (21%), saúde (19%), desemprego (13%), violência (13%) e educação (10%). No início da atual gestão, só três desses temas atingiam mais de 10% das menções -corrupção, saúde e desemprego.

Um dos principais aliados de Temer no Congresso, o deputado Beto Mansur (MDB-SP) afirma ter havido problema na comunicação. “Muitas vezes você acaba fazendo muita coisa e comunica mal. Estou na vida pública há 30 anos e o Michel conseguiu aprovar no Congresso muita coisa que seus antecessores não conseguiram em um tempo muito maior”, diz.

O aliado afirma ter aconselhado o presidente a sair do gabinete para tentar diminuir sua rejeição. “Insisto muito com ele. Falei: ‘Tu tem que pegar a quinta, sexta e sábado e sair pelo Brasil’.”

O índice de avaliação usado pelo Datafolha representa uma nota média das pesquisas do mandato, que passam pelo seguinte cálculo: subtrai-se as menções negativas da taxa de menções positivas e somam-se 100 para evitar números negativos. Dos resultados de 0 a 200, aqueles acima de 100 são considerados positivos e os abaixo, negativos.

Dilma teve 136 no 1º mandato e 33 no segundo. Luiz Inácio Lula da Silva atingiu os melhores resultados em suas duas gestões: 139 na primeira e 183 na segunda. Fernando Henrique Cardoso teve avaliação média positiva no seu primeiro mandato (134) e negativa no segundo (81). Itamar Franco obteve 105 e Collor, 78.

Em relação à gestão do também emedebista José Sarney (1985-1990), não é possível fazer uma comparação exata porque o Datafolha realizou as pesquisas só em São Paulo (85 e 86) ou em apenas 10 capitais (de 87 a 90).

Mas muito provavelmente a popularidade média de Sarney também foi maior. Isso porque o índice de avaliação de 87 a 90 é 23, mas tem como base pesquisas circunscritas às dez principais capitais, que tendem a apresentar reprovação mais alta aos governantes. Além disso, a nota não engloba o período em que Sarney gozou de grande popularidade, 1986, ano do Plano Cruzado.





Link Externo
publicado no site gazetadopovo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here