Início Insights A Cinza do Purgatório (Com notas): Ensaios – #Livros

A Cinza do Purgatório (Com notas): Ensaios – #Livros

47
0


Preço: R$ 14,99
( Oct 19,2018 09:43:19 UTC – Detalhes)



A Cinza do Purgatório é uma coletânea de ensaios sobre literatura publicados originariamente no jornal Correio da Manhã, do Rio de Janeiro, nos anos de 1941 e 1942.

Em A Cinza do Purgatório o leitor verá Otto Maria Carpeaux em seu máximo esplendor. Os ensaios sobre Jacob Burckhardt, Santa Teresa de Ávila, Giambattista Vico, Franz Kafka, Joseph Conrad, Dostoiévsky, entre outros, estão entre as mais sublimes produções intelectuais em solo brasileiro.

A obra é composta por 28 ensaios, divididos em três partes: Profecias, Interpretações e Julgamentos.

Esta nova edição, preparada a partir da comparação com os originais publicados em jornal, conta com notas explicativas e tradução de citações estrangeiras.

O autor:

Otto Maria Carpeaux (1900-1978) foi um dos maiores intelectuais que o Brasil já abrigou, autor de centenas de ensaios, escreveu a obra-prima em oito volumes História da Literatura Ocidental.

Nascido no ano de 1900, em Viena, então capital do Império Austro-Húngaro, Carpeaux completou seu Doutorado em Ciências Naturais na Universidade de Viena. Durante a década de 1930, Carpeaux se tornou uma destacada figura intelectual na Áustria, escrevendo assiduamente para importantes jornais e revistas.

Em 1938, após seu país ser anexado pela Alemanha Nazista, Carpeaux fugiu da Áustria, estabelecendo-se de início na Bélgica e posteriormente no Brasil, onde chegou em agosto de 1939.

Carpeaux aprendeu nosso idioma num piscar de olhos e logo começou a escrever para alguns dos principais jornais brasileiros, atividade que manteve até sua morte em 1978.

Em 1944, Otto Maria Carpeaux naturalizou-se brasileiro.

Segundo Olavo de Carvalho, “Otto Maria Carpeaux é um dos escritores mais claros e límpidos que já empregaram a língua portuguesa. […] Suas frases são simples, seus julgamentos são nítidos, e ele é maravilhosamente didáctico, insistindo em escrever antes para o povo em geral do que para um grémio de scholars. “